Vídeos e filmes

VÍDEOS EDUCATIVOS

Esta seção é dedicada aos multiplicadores em Educação para o Trânsito. Aqui trazemos sugestões de vídeos analisados pela Escola Pública de Trânsito como ideias de recursos didáticos que podem ser utilizados em ações educativas de trânsito.

VELOCIDADE

Outras pessoas cometem erros - vá devagar

Excesso de velocidade e cuidados em cruzamentos.

O vídeo inicia com dois veículos se deslocando em direção a um cruzamento. Neste, um dos condutores observa para os dois lados, antes de iniciar a travessia do cruzamento. Porém, ao colocar o carro em movimento, adentrando a área de conflito, ambos condutores percebem que um acidente poderá ocorrer. Neste momento a cena fica congelada.Soltam as mãos do volante e descem do veículo enquanto toda a situação fica “parada no tempo”. Iniciam um diálogo sobre o ocorrido. O condutor que estava cruzando a via (chamaremos de condutor A) explica ao outro (condutor B) que achou que daria tempo, enquanto o outro diz não tê-lo visto e que não terá tempo de parar. Condutor A explica ao condutor B que foi um erro simples. Condutor B diz que “eu sei, se estivesse indo um pouco mais devagar, mas…”. Os veículos se movimentam. Então, condutor A menciona, com ar de desespero, que o filho está no banco de trás. Condutor B visualiza a criança, porém sabe que está indo muito rápido e diz sentir muito. Condutor A demonstra desespero. Ambos voltam aos seus veículos e a cena é retomada, “descongelada”. Os veículos continuam a rota de colisão. Enquanto isto, condutor B olha para o velocímetro, percebendo que estava em velocidade superior à que deveria; condutor A observa o filho no banco de trás com tristeza. Os veículos se chocam com violência e o vídeo é encerrado com a frase: Outras pessoas cometem erros.

 

Este vídeo, de impacto, é interessante de ser utilizado em situações em que o público necessita de vários recursos para ser sensibilizado quanto à questão do excesso de velocidade, além de trazer o assunto dos cuidados em cruzamentos e que um erro pode ser fatal nestas situações. Apesar de ser um vídeo de impacto, utiliza recursos que não apresentam pessoas machucadas ou os resultados do acidente, deixando ao público a reflexão sobre as consequências dos comportamentos dos condutores envolvidos.

Neste sentido, pode-se iniciar a discussão sobre os principais fatores humanos envolvidos naquela situação: excesso de velocidade de um lado, dificuldade em estimar tempo e distância para realizar o cruzamento da via, de outro. Apesar de ambos os comportamentos serem importantes de se trabalhar, o vídeo coloca o foco sobre o excesso de velocidade, pois caso o condutor não estivesse trafegando na via desta maneira, os resultados seriam completamente diferentes. A conversa realizada enquanto a cena ficou congelada poderia resultar em, algo como: “sim, já que estou na velocidade da via, irei acionar os freios e, caso não consiga evitar a colisão, a violência do impacto certamente será menor.” Ambos voltariam aos seus veículos aliviados de que algo poderia ser feito.

Porém, como não foi o que ocorreu, em função da escolha que o condutor B fez, de andar acima do limite de velocidade, a colisão ocorreu, pois mesmo acionando os freios, não seria possível evitá-la por questões de leis da física (principalmente as relacionadas à distância de parada do veículo). Mesmo o condutor B tendo muita habilidade e experiência, as leis da física não o permitem evitar o acidente, se é que podemos denominar esta situação com este termo, uma vez que seria possível identificar que algum sinistro poderia acontecer pelo comportamento adotado.

Cabe lembrar ao público que os acidentes da vida real não tem este “congelamento” da cena para o estabelecimento de uma conversa. Porém, se isto fosse possível, o diálogo seria muito semelhante ao do vídeo. E certamente o condutor A, preocupado com o filho, faria a mesma súplica pela segurança do mesmo.

Ao se utilizar este vídeo como recurso, é importante abordar que escolher trafegar dentro do limite de velocidade é escolher preservar a vida, pois mesmo que outros condutores cometam erros, – sim, pois sabemos que seres humanos erram – ainda é possível diminuir a gravidade das consequências, caso não se consiga evitá-lo.

 

Pode-se ressaltar que o principal motivo para o estabelecimento do limite de velocidade é justamente evitar que acidentes ocorram. Neste sentido, quando se escolhe trafegar acima deste limite, se está optando por correr riscos acima do que o controle de velocidade permitiria. Assim, além do próprio condutor estar se colocando em risco, também está oferecendo riscos maiores aos que circulam no mesmo ambiente de trânsito. Ainda, pode-se salientar que o respeito ao limite não significa que o condutor não possui habilidades suficientes, mas que além da condução segura relacionada a outros fatores, também está fazendo a prevenção relacionada ao erro dos demais condutores que circulam no mesmo ambiente.

Este vídeo não deve ser utilizado com público infantil e adolescente. Além disso, deve-se observar, na condução da discussão com o público, para que o discurso não se enfoque no erro de cruzamento, uma vez que é tendência cultural ser mais tolerante com o excesso de velocidade. Caso a reflexão vá nesta direção, pode-se trazer o foco novamente para o excesso de velocidade, buscando relacionar que mesmo com o erro de cruzamento, em velocidade menor, a gravidade das lesões são menores.

 

No caso de ser utilizado para trabalhar com público jovem, pode-se abordar a culpa sentida pelo condutor B, que restará para sempre. Além das possíveis sequelas que o mesmo poderá sofrer, que podem, inclusive, incapacitá-lo de realizar suas atividades normalmente (passear, ir a festas, se divertir com os amigos sem limitações em diferentes ambientes, etc).

Adultos e jovens.

ÁLCOOL

Comercial Budweiser - Amizade

Álcool

O vídeo mostra vários momentos da amizade entre um homem e seu cachorro. Então, aparece uma cena em que o dono vai sair de casa com os amigos para beber e o cachorro fica sozinho em casa. O cachorro fica muito tempo esperando, triste por estar sem seu dono. Aparece a frase: “Para alguns, a espera nunca termina. Mas nós podemos mudar isso.” Após, o dono chega em casa já no outro dia pela manhã e o cachorro fica muito feliz. O vídeo acaba com a frase: “Faça planos para voltar para casa. Seus amigos contam com você.”

Esse vídeo é um ótimo recurso para demonstrar sobre as escolhas bem feitas na hora de sair para beber. Ele é um comercial de uma marca de cerveja que tem como objetivo mostrar que é possível sair para beber, e que não precisamos pegar uma direção depois disso, que podemos nos planejar de modo diferente para que a diversão não acabe por ali. Podemos explorar o quanto a morte de alguém no trânsito afeta os outros que contam com essa pessoa, como seus amigos, seus familiares, para quem, algumas vezes, a espera nunca acaba.

Esse é um vídeo que está em inglês. Como sugestão, esse vídeo pode ser traduzido, principalmente as frases destacadas, para que possa fazer mais sentido.

Adultos

Bar Aurora & Boteco Ferraz apresentam: drunk valet

Álcool

Neste vídeo as pessoas estão chegando em um bar de carro e deixam o carro com o manobrista para estacionar, porém o manobrista está alcoolizado. Diante da situação nenhum motorista permite que ele pegue o seu carro para dirigir. Ao final, o manobrista, que é um ator, entrega um folheto para o motorista onde diz “Nunca deixe um motorista alcoolizado dirigir seu carro. Mesmo que este motorista seja você.”.

Este vídeo pode ser trabalhado em aulas ou palestras em que se esteja trabalhando o tema álcool e direção. Ele aborda o assunto de um modo leve e divertido, tornando a discussão sobre o tema mais agradável.

O vídeo serve para abrir os olhos das pessoas que nunca é bom dar a direção do nosso carro para alguém que esteja alcoolizado dirigir, nem nós mesmos. É uma boa maneira de conscientizar as pessoas, pois as faz pensar sobre o assunto antes mesmo de ingerir a primeira bebida.

Podemos usar esse vídeo para discutir maneiras de planejar seu retorno quando queremos sair para beber, como voltar de táxi, uber, ônibus, carona, eleger um motorista da rodada, passar a noite no local da festa, etc.

Adultos

Nunca beba e dirija

Álcool

Neste vídeo um rapaz bebe socialmente em uma festa de aniversário durante o dia. Ao final da festa ele volta dirigindo, mesmo a namorada tendo se oferecido para dirigir em seu lugar, pois considera que apenas bebeu poucas doses, estando apto a dirigir. Porém, no caminho há um obstáculo (um caminhão parado em frente), e o rapaz não reage a tempo, atingindo o caminhão e matando a namorada. No vídeo observa-se o pai sofrendo por ter perdido a filha nesse acidente.

Este vídeo pode ser trabalhado em aulas ou palestras com motoristas em que se esteja trabalhando o tema álcool e direção. É um vídeo de conteúdo impactante e serve para mostrar às pessoas que poucas doses da bebida já afetam a nossa capacidade física e nossas reações ficam mais lentas, podendo causar graves acidentes no trânsito. Podemos realçar como para ter efeitos negativos no trânsito a pessoa não precisa estar totalmente embriagada, mas aquele que bebe “socialmente” já não pode pegar a direção.

O vídeo pode ser usado no modo original, em inglês sem legendas, pois as imagens já são por si só impactantes. Ou pode ser usado legendado.

Adultos

CELULAR

Olhadinha de 2 segundos

Celular

  1. Vídeo com as falas em inglês (https://www.youtube.com/watch?v=VmN6ie3xjE8) – segue descrição com as legendas, para caso queiram inseri-las no vídeo:

O vídeo inicia mostrando quatro motoristas dirigindo e recebendo algum tipo de mensagem ou ligação no celular. Todos olham rapidamente para o aparelho e tiram a visão da via por alguns segundos. O locutor fala: “O que você não quer perder hoje?” Vem a mensagem: “Uma olhadinha de dois segundos duplica seu risco de se acidentar”. O locutor diz: “Então o que de fato você está perdendo?” Na continuação, o vídeo mostra detalhes do que acontece após a breve olhada no celular com cada um dos quatro motoristas. A primeira moça, ao voltar o olhar para a pista, quase se envolve em um acidente com outro veículo. Aparece na tela o que ela teria visto: uma foto de uma amiga com o novo visual. Em seguida, o segundo motorista desvia a atenção para atender uma ligação, mesmo sem pegar o celular na mão, pois está com bluetooth. Ao voltar o olhar para a pista, quase bate no veículo da frente que havia parado. A ligação: do escritório: “Oi Jack, o restaurante está agendado”. No caso da terceira motorista, ela olha a mensagem e quase atropela uma menina que atravessa para pegar uma bola. A mensagem: Você comprou os ingressos? Finalmente, o quarto motorista também olha rapidamente seu celular, mas na rua um pedestre não viu que o carro vinha em alta velocidade e seguiu atravessando. O carro então o atropela em cheio, tirando sua vida. A mensagem: Te vejo no jogo às 18:00. Mensagem: “Uma olhadinha de dois segundos significa que você perde o que realmente importa. Todo o resto pode esperar.”

Este vídeo pode ser utilizado com o público adulto, em especial adulto-jovem, já que envolve o uso de celular no volante. O vídeo pode ser usado tanto sem som, somente com a música de fundo e com as imagens, que por si só já passam uma mensagem bastante impactante, ou pode ser usado na sua versão completa, com a inserção de legendas, tornando seu conteúdo ainda mais completo.

Através desse vídeo podemos abordar o assunto de como uma rápida olhada no celular ao dirigir pode ser muito grave, aumentando muito as chances de envolvimento em um acidente, podendo inclusive tirar a vida de alguém. Pode-se chamar a atenção para o conteúdo das mensagens recebidas, sendo que nenhuma delas tinha urgência de serem vistas, assim como a grande maioria das mensagens e ligações que recebemos. O instrutor pode propor uma atividade antes de passar o vídeo, sugerindo que os alunos não peguem o celular por um certo período (ex: 30 min). Após o vídeo, pode solicitar que os alunos peguem o celular o olhem as mensagens que receberam neste período. Questionar quantas das mensagens recebidas eram tão importantes que não poderiam ter esperado para serem visualizadas.

Pode-se usar este vídeo também para chamar a atenção para o caso de que muita gente, além de receber e ler mensagens no trânsito, utilizam o celular para enviar mensagens, fazer ligações, gravar áudios e vídeos e tirar fotos, tudo enquanto dirigem. Convide os alunos a refletir o quanto isso pode ser perigoso, já que o tempo despendido nessas atividades é ainda maior e tira a atenção da via por um tempo ainda mais longo, muitas vezes inclusive em estradas onde a velocidade permitida é mais alta.

Esse é um vídeo que está em inglês. Como sugestão, esse vídeo pode ser traduzido, principalmente as frases destacadas, para que possa fazer mais sentido. Se for de seu interesse, há outra versão do vídeo somente com música de fundo neste link: https://www.youtube.com/watch?v=RtCCqZEr110.

Adultos

Distrações

Celular

Neste vídeo um motorista está dirigindo e recebe uma mensagem no celular. Ao olhar para o celular, a imagem fica preta e ele não enxerga nada a sua frente. Ao olhar novamente para o trânsito, há um carro reduzindo a velocidade em sua frente, mas ele tem tempo de reagir. Após, em outro dia, novamente recebe outra mensagem, olha, e a imagem fica preta. Ao voltar o olhar para a estrada, percebe que havia 2 ciclistas logo a sua frente, mas consegue desviar. Depois, em outro dia, mais uma vez ele recebe uma mensagem e olha. A tela novamente fica preta. Contudo, dessa vez ao olhar ele não tem tempo de reação e atropela uma menina que tinha saído de um ônibus.

Esse vídeo é um bom recurso para salientar como as distrações causadas pelo celular podem causar graves acidentes no trânsito.

Pode ser usado em cursos e palestras com motoristas para demonstrar como as distrações ao celular, que muitas vezes parecem “não dar nada”, podem ser trágicas no trânsito. Pode-se reforçar que essas mensagens na grande maioria das vezes não são urgentes e poderiam ser vistas e respondidas após chegar no local de destino.

Realçar o fato de que muitas vezes ele foi “avisado” do risco, conseguindo desviar dos obstáculos que surgiam quando ele estava cego olhando a tela do celular, e mesmo assim seguiu com o hábito de olhar o celular enquanto dirigia, até que um dia aconteceu uma tragédia.

Há uma fala em inglês no vídeo sem legenda. Porém, isso não impede que o vídeo seja transmitido sem legenda, pois as imagens falam por si.

Adultos e jovens

GERAL

Comercial Volvo - Momentos

Escolhas no Trânsito/Distrações no Trânsito

Neste vídeo uma mãe tenta encorajar a filha que está nervosa para seu primeiro dia de escola. A mãe deixa a criança ir falando, que vai relatando as coisas que aconteceriam na sua vida, como conhecer amigas, passar muito tempo ao lado delas, aniversários, momentos felizes, depois crescer, mudar de cidade, fazer novos amigos, estudar, viajar o mundo, trabalhar, encontrar alguém, casar, ter filhos… Ao mesmo tempo, outras imagens vão aparecendo mostrando uma pessoa saindo de casa apressada, muito provavelmente atrasada para o trabalho, dirigindo com pressa, usando o celular e tomando café no volante. Nesse momento, a motorista se distrai no veículo e, ao mesmo tempo, a menina está atravessando a rua. No comercial nada acontece, pois o veículo tem um sensor que, mesmo a motorista não freando, o veículo reconheceu a menina na sua frente e parou, evitando a tragédia.

Este vídeo pode ser usado em cursos e palestras com motoristas para demonstrar como as distrações ao volante podem ser trágicas no trânsito. É útil como ferramenta para despertar nas pessoas o medo de tirar a vida e os sonhos de alguém por coisas banais que podem deixar para serem feitas em momentos que não estejamos dirigindo.

Pode-se comentar sobre os planos/sonhos da menina e as várias escolhas erradas que a motorista fez: café, atraso, velocidade, celular.

Podemos fazer os participantes perceberem como as escolhas erradas que fazemos no trânsito podem afetar de modo definitivo as nossas vidas e a de outros.

Mostrar a frase final do comercial: Às vezes, os momentos que não aconteceram são os que mais importam. Comentar como, às vezes, os momentos que não acontecem, como um acidente não acontecer, são os que mais importam, pois se acontecessem nenhum daqueles sonhos teriam a chance de acontecer.

Em um viés pedagógico, esse vídeo não deve ser apresentado até o final, mas sim parado antes do veículo parar sozinho, para deixar em aberto se atropelou a menina, pois nosso objetivo é mostrar como as escolhas que fazemos podem afetar as vidas das outras pessoas que compartilham conosco o espaço do trânsito, podendo interromper sonhos de uma vida toda. Além do mais essa tecnologia de carros auto-dirigíveis e inteligentes ainda está longe de ser uma realidade no Brasil.

Adultos

Mortes no trânsito: Qual seria um número aceitável para você?

Número de mortes no trânsito

Neste vídeo um repórter pergunta a uma pessoa qual seria um número aceitável de mortes no trânsito com base no número de mortos que havia sido registrado no país naquele ano. A pessoa responde que 70 seria aceitável. Então aparecem 70 pessoas de sua família, e ele percebe que na verdade um número aceitável seria zero, pois cada pessoa faz falta para alguém.

Este é um vídeo de impacto muito bom para dar início ao assunto de mortes no trânsito e para abrir os olhos das pessoas que cada número no telejornal de mortos em acidentes de trânsito implica a falta de uma pessoa para toda uma família.

Podemos ressaltar como muitas vezes ouvimos o número de mortes no trânsito nos jornais em todos os fins de semana, sem refletir que aquele número representa pessoas que perderam suas vidas nesse espaço e que essas pessoas deixaram suas famílias, seus amigos para sempre. Que ali naqueles números estão pais, mães, filhos, namorados, maridos, esposas, trabalhadores, enfim…

É muito bom para abrir uma palestra ou um curso onde se vai inserir o assunto da Década de Ação pela segurança no trânsito e a meta da ONU de redução no número de mortes. Pode ser usado com público jovem e adulto.

Adultos e jovens

Pacto Nacional pela Redução de Acidentes

Comportamentos no Trânsito/Mudança de comportamento

No vídeo, o repórter pergunta a algumas pessoas: “O que você mudaria para melhorar o trânsito?”. Todas elas respondem falando do que os outros fazem que as incomoda. Então o repórter pergunta: “E o que mudaria em você para melhorar o trânsito?”. E aí as pessoas percebem que estão também cometendo atitudes erradas no trânsito. O vídeo conclui dizendo o quanto é mais fácil ver os problemas nos outros e que o trânsito só muda quando a gente muda.

Esse vídeo serve para ilustrar um momento em uma palestra ou aula em que se fala sobre o comportamento humano no trânsito, sobre como é fácil apontar para o erro dos outros no trânsito, mas como é difícil que nós olhemos para nossos próprios erros e nossas próprias atitudes, a fim de que possamos perceber nossos problemas e ter, assim, atitudes mais corretas. O professor pode propor em aula uma atividade anterior ao vídeo com a mesma pergunta do vídeo “O que você mudaria para melhorar o trânsito?”. E esperar para ver as respostas que surgem, ou como as pessoas tenderiam a apontar o dedo para os erros cometidos em geral no trânsito, sempre como atitudes erradas dos outros. Então, pode passar o vídeo e depois pedir para os alunos refletirem sobre suas próprias atitudes e o que eles poderiam mudar em si próprios para melhorar o trânsito. Uma outra atividade proposta para pensar sobre esse comportamento, é a atividade “Somos o outro dos outros”:

Dinâmica: Somos os outros dos Outros

Objetivo:  Promover a reflexão e a identificação da responsabilidade e a contribuição individual de suas atitudes perante um espaço coletivo como o trânsito.

Conteúdos: Situações de risco, Convívio social no trânsito e outros de forma adaptada. Para os alunos(as) de reciclagem esta dinâmica é especialmente útil.

Materiais utilizados: Impressão da tabela abaixo e canetas. Música animada. Quadro e caneta.

COMPORTAMENTO DE RISCO

SIM

NÃO

   
   
   
   
   
   
   

Número de participantes: livre

Desenvolvimento: Distribuir a folha e dar a orientação para listarem os comportamentos que consideram perigosos no trânsito em cinco minutos. Ao término do tempo solicite que circulem as folhas pela sala até a música parar. O aluno(a) que ficou com a folha, individualmente irá ler os comportamentos listados e marcar um X no sim nos comportamentos que o outro realizou. Novamente, circular com a folha trocando de mãos. Após, os alunos(as) leem para o instrutor(a) as alternativas marcadas com X no sim, sendo que este anota no quadro os comportamentos de risco assumidos pelos membros do grupo.

Para finalizar a atividade o instrutor(a) discute com os alunos(as) como costumamos falar que “as pessoas, os outros” fazem coisas erradas no trânsito. Convidá-los a perceber o quanto cada um é “o outro” das demais pessoas, que assumimos comportamentos que criticamos nas outras pessoas. Também é interessante demonstrar que normalmente se fala dos problemas de trânsito como sendo causados pelos “outros”, porém, as pessoas que cometem estes comportamentos – apontar aqueles listados no quadro e assumidos por algum dos alunos(as) durante a dinâmica – estão aqui, nesta sala e não são seres que estão por aí, somos nós, que somos o outro dos outros.

Adultos e jovens

Desenvolvido por: DTI